Festival Inter. Jardins

Data: 31 Maio a 31 Outubro 2019

"Os visitantes entram no jardim e são conduzidos através das três partes diferentes do jardim.

Ao entrar no jardim, eles entram em noutro mundo - a utopia. Vistas amplas são possíveis e por causa das cores brilhantes das flores e da claridade das paredes de madeira, associações de vitalidade e facilidade vêm à mente. Um foco é na cor verde forte da relva, que espelha a terra fértil e destaca simultaneamente a pureza do canteiro de flores (branco) brilhante. Os olhos do flâneur vagam e descobrem a passagem do texto de Alice no País das Maravilhas, que decora a parede de madeira. Este muro leva-os a outra parte do jardim - fende-se através dele e permite-lhes ter diferentes impressões do espaço.

Na metamorfose - a área de transformação - as cores e formas das flores e plantas mudam. A nova experiência espacial torna-se aparente. As nuances brilhantes da utopia dão lugar a cores terrosas como laranja, marrom castanho e amarelo. Além da superfície arenosa e terrosa, as plantas têm cores fortes e quentes, que exibem vividamente a energia da transformação. Na parede de madeira laranja, os visitantes que pretendem descobrir a próxima passagem de texto do livro do país das maravilhas, antes de sua curiosidade leva-os para o seguinte - a última - parte do jardim.

Aqui na distopia, o contraste entre as partes contrárias do jardim é retomado e jogado com: o arranjo luminoso e amplo da utopia dá lugar a uma impressão espacial estreita e isolada. As plantas são de cor mais escura e mais escura (azul) do que antes. A superfície é parecida com pedra, o que contrasta com a superfície gramada orgânica relvada e macia da utopia. Na parede de madeira azul escura, há outra passagem do texto da Alice no País das Maravilhas."

Concepção da ideia / Concepção técnica
Janine Tüchsen – Arquiteta
Anika Slawski – Urbanista

Creditos Filme : Portal dos Jardins



Continuar a navegar no nosso website implica a aceitação da nossa Política de Cookies - Saiba mais aqui